sexta-feira, 25 de março de 2016

Leu a 2ª Edição da Newsletter Apresentações Que Falam Por Si?

2ª edição da Newsletter Apresentações Que Falam Por Si

Na edição de fevereiro, os temas abordados na Newsletter foram:

1. Preparar o Sucesso!
2. Prezi Awards 2015 
3. Conheça as 3 Vantagens de Utilizar “Semáforos” nas Suas Apresentações
4. Sugestões: Livro "The Presentation Secrets of Steve Jobs"
5. Nancy Duarte, Lutter King e Steve Jobs! O que haverá em comum?

6. 3D-Day “Dia da Defesa da Dissertação”
7. Livros Que Falam Por Si

Quer ler (ou voltar a ler) edições anteriores? #1 | #2 

A 3ª edição da Newsletter Apresentações Que Falam Por Si será enviada dia 28 de março!

quarta-feira, 23 de março de 2016

Humor será sinónimo de inteligência?


A utilização do humor será um sinal de inteligência?


A atriz Tina Fey acredita que sim. Eu também! Mas nem sempre foi assim. Basta recordar a conotação associada ao "bobo da corte" ou, por exemplo, ao ditado "muito riso, pouco siso".

No entanto, diferentes autores defendem que:

"O sentido de humor varia de pessoa para pessoa e altera-se de acordo com a respetiva disposição, personalidade, nível de atenção a uma situação e à inteligência" (Jose, Parreira, Thorson, & Allwardt, 2007).

Considerando que a compreensão de uma piada, de uma anedota está associada à capacidade de resolver uma determinada incongruência. Segundo Vrticka, Black, Neely, Shelly & Reiss (2013) a deteção e resolução de uma incongruência está associada à componente cognitiva do humor enquanto o sentimento positivo de "brincadeira ou recompensa" está associado à componente emocional do humor. Os autores referem ainda que apesar de ainda não existir dados da ressonância magnético funcional que expliquem a ligação entre a inteligência (IQ) e o processamento do humor, estudos comportamentais mostram que níveis mais altos de IQ estão associados à capacidade de melhor detetar e resolver incongruências (componente cognitiva do humor).